Cultura Destaque Últimas Notícias Variedades

Sexta-feira da Paixão e Sábado de Aleluia em Araçuaí e Diamantina

Hoje é  Sabbatum Sanctum = Sábado de Aleluia, um dia sagrado onde é revivido os momento que Jesus Cristo permaneceu no seu túmulo, e do sofrimento de Nossa Senhora das Dores(Virgem Maria), que recebeu o título de nossa Senhora da Solidão, devido ao luto e consternação pela morte de Jesus Cristo.

Já é uma tradição em Diamantina os “Tapetes” enfeitados pelas ruas, que começam a ser feitos a meia noite do Sábado de Aleluia, para ficar pronto na Manha de Domingo de Páscoa

Mas antes de ser Crucificado, eis que Jesus Cristo realizou toda a “Via Crucis”, Latin = significa literalmente “O Caminho da Cruz”, que vai do prætorium = Pretório, que era a Fortaleza onde os antigos Comandantes Romanos residiam, administravam e até julgavam os detidos pelo Exército Romano.

Encenação da Crucificação de Cristo em Araçuaí-MG. 2017

No sentido bíblico, o Pretório de Pilatos, era a residência de Pontius Pilatus = Pôncio Pilatos, o “Comandante/Procurador”, da antiga Judéia, entre os anos de 26 até 36 depois de Cristo; foi ele que julgou Jesus Cristo de Nazareth. O Caminho termina no Calvário ou Golgota que era o nome dado a Colina onde Jesus Cristo foi pregado na Cruz. Esta passagem, do calvário, consta nos 4 Evangelhos, sendo aceita totalmente por historiadores bíblicos e por todos os intelectuais do Vaticano.

Via Crucias, Quadro do Século 19, feito na França

Abaixo os Evangelhos que citam o Calvário de Jesus Cristo:

– E eles chegaram a um lugar chamado Gólgota, que significa o Lugar da Caveira. (Mateus 27:33)

Encenação Via Sacra, Araçuaí, 2017

– E eles levaram-no ao lugar chamado Gólgota, que é traduzido por Lugar da Caveira. (Marcos 15:22),

– Então eles chegaram ao lugar chamado de Caveira.» (Lucas 23:33)

– E carregando ele mesmo a sua cruz, saiu para o assim chamado Lugar da Caveira, que em hebraico se diz Gólgota. (João 19:17)

Encenação da Descida da Cruz em Diamantina, 2017.

Porém, antes de “enterrar” Jesus, foi necessário que o tirassem da Cruz, isto ocorreu na noite da Sexta-feira da Paixão/Santa, onde um discípulo “oculto”de Jesus Cristo, conhecido como José de Arimatéria solicitou ao Governador Romano Pilatos para retirar o Corpo de Cristo da Cruz e assim o enterrar:

Havia um homem, por nome José, membro do conselho, homem reto e justo. Ele não havia concordado com a decisão dos outros nem com os atos deles. Originário de Arimatéia, cidade da Judéia, esperava ele o Reino de Deus. Foi ter com Pilatos e lhe pediu o corpo de Jesus. (Lc 23, 50-52)

Paraça da Catedral de Diamantina, para o Sermão do Descimento da Cruz, 2017

Pilatos admirou-se de que ele tivesse morrido tão depressa. E, chamando o centurião, perguntou se já havia muito tempo que Jesus tinha morrido. Obtida a resposta afirmativa do centurião, mandou dar-lhe o corpo. (Mc 15, 44-45)

Sexta-feita da Paixão em Diamantina 2017

Quando José de Arimatéia recebeu a autorização de Pilatos, ele mesmo retirou e desceu o corpo de Jesus Cristo da Cruz, chamada esta ocasião de “descimento da cruz”, sendo que é uma tradição da Igreja Católica realizar o Sermão do Descimento da Cruz, que em Diamantina e Araçuaí, por exemplo este evento foi celebrado com muita fé e Devoção,  como há dezenas de anos, em uma celebração que remonta a séculos. E reuniu milhares de pessoas na Praça da Catedral em Diamantina e na Praça da Matriz em Araçuaí, com o intuito de ouvir o Sermão e em seguida acompanhar a Procissão do Enterro de Jesus Cristo.

Encenação dos descimento da Cruz de Jesus Cristo – Diamantina, 2017.

Após a descida do Corpo de Jesus da Cruz, José de Arimatéia o envolveu em linho e seguiu daí o Cortejo para o Enterro de Nosso Senhor.

… Foi, pois, e tirou o corpo de Jesus. Acompanhou-o Nicodemos (aquele que anteriormente fora de noite ter com Jesus), levando umas cem libras de uma mistura de mirra e aloés. Tomaram o corpo de Jesus e envolveram-no em panos com os aromas, como os judeus costumam sepultar. (Jo 19, 38-40)

Ele o desceu da cruz, envolveu-o num pano de linho… (Lc 23, 53)… “Pois o linho são as boas obras dos santos.” (Apc 19, 8)

Sexta-feita da Paixão em Diamantina 2017

Após a retirar e envolver o Corpo de Nosso Senhor em “Panos”seguiu um cortejo para poder enterrar Jesus Cristo, pelas ruas de Jerusalém.
Santa Maria de Emrich, nos dá a sua versão do Acontecido:

“Mal se tinha restabelecido um pouco a calma em Jerusalém, depois de tantos acontecimentos assustadores, quando Pilatos, tão consternado, foi importunado de todos os lados com narrativas do que sucedera. Também o Supremo Conselho lhe mandou, como já resolvera de manhã, um requerimento, pedindo que mandasse esmagar as pernas dos sacrificados, para que morressem mais depressa e tirá-los depois da cruz, para que não ficassem pendurados durante o Sábado. Pilatos enviou, pois, os carrascos para esse fim ao Calvário.

Sexta-feita da Paixão em Diamantina 2017

Pouco depois vi José de Arimatéia entrar no palácio de Pilatos. Já recebera a notícia da morte de Jesus e resolvera, com Nicodemos, sepultar o corpo do Senhor no sepulcro novo que escavara na rocha do seu jardim, não longe do monte Calvário. Creio tê-lo visto já fora da porta da cidade, onde observou tudo que se passou e deliberou o que se devia fazer; pelo menos vi lá homens que, por ordem dele limpavam o jardim do sepulcro e ainda terminavam algumas obras no interior mesmo. Nicodemos também foi a diversos lugares, para comprar panos e especiarias para o embalsamamento do corpo; depois esperou a volta de José.

Sexta-feita da Paixão em Diamantina 2017

Esse encontrou Pilatos muito assustado e incomodado; pediu-lhe francamente e sem hesitação licença para tirar da cruz o corpo de Jesus, rei dos judeus, porque queria sepultá-Lo no seu próprio sepulcro. O fato de um homem tão distinto pedir, com tal insistência, licença para prestar a última homenagem ao corpo de Jesus, a quem o juiz iníquo tão ignominiosamente mandara crucificar, abalou-lhe ainda mais a consciência; aumentou-se-lhe ainda mais a convicção da inocência de Jesus e com ela, o remorso; mas, fingindo calma, perguntou: “Então já está morto?”, pois havia poucos minutos apenas que mandara os carrascos matar os crucificados, quebrando-lhe as pernas.”

Sermão do Descendimento da Cruz proferido por Dom Darci José Nicioli, Arcebispo de Diamantina, e Procissão do Enterro com participação da Guarda Romana, Ordem Terceira do Carmo e representação de figuras bíblicas do Velho e Novo Testamentos.

 

TODAS AS FOTOS DE DIAMANTINA SÃO DA CATEDRAL METROPOLITANA DE DIAMANTINA.

 

Sobre o Autor

Ernani J. De M.M.

Ernani J. De M.M.

Redator do Kiau Notícias e outras coisas mais

Deixe um recado

error: O Conteúdo desta Matéria não pode ser Copiado sem Autorização