Destaque Últimas Notícias Vale do Jequitinhonha Variedades

16 de Julho dia de Nossa Senhora do Carmo e o Dia do Estado de Minas Gerais

Minas Gerais como conhecemos hoje nasceu historicamente, após o Coronel Salvador Fernandes Furtado de Mendonça, ter chegado as margens de um córrego, que deram o nome de Ribeirão do Carmo, isso no dia 16 de Julho de 1696, sendo o dia 16 de Julho desde o ano de 1251, o dia de Nossa Senhora do Carmo para os Católicos.

Mapa da Capitania de Minas Gerais Criada em 12 de Setembro 1720

O Primeiro Nome da cidade do que hoje conhecemos como Mariana, era Arraial do Ribeirão do Carmo,  que foi a primeira Capital do que viria ser a Capitania de Minas Gerais, apesar de alguns historiadores dizerem que foi Ouro Preto, no caso não BABY! Sendo que Mariana foi a 1ª capital (1709), a 1º vila (1712), a 1ª sede de bispado (1745) e a 1ª cidade da Capitania de Minas Gerais (1745).

Mariana foi a primeira cidade Planejada do Brasil. Mapa de Mariana no começo de 1700

MARIANA (MG) – Missa campal por ocasião das comemorações do Centenário da Independência do Brasil, em 1922

É, Mariana é o início da “civilização”do que viria a ser o Estado de Minas mesmo, sendo que esta cidade iniciou sua colonização as margens de um Ribeirão chamado do Carmo, que tinha muito ouro e fez com que rapidamente a região fosse habitada, se tornou Vila do Ribeirão de Nossa Senhora do Carmo, no dia 08 de abril de 1712, e a capitania de Minas Gerais foi criada em 12 de Setembro de 1720, devido a corrida do Ouro. Mas só em 28 de Fevereiro de 1821, se tornou uma Província, que era o nome dado aos Estados no tempo do Império no Brasil, sendo que com a proclamação da Republica em 15 de Novembro de 1899, se tornou o Estado de Minas Gerais.

Como no terreno onde viria a se tornar a cidade de Ouro Preto, começou a ter mais Ouro que no terreno onde viria a se tornar a cidade de Mariana; este local (ouro preto) se tornou a Capital da Capitania de Minas Gerais, após a criação de Vila Rica em 1711,tendo como primeiro nome Inicialmente Vila Rica de Albuquerque e depois Vila Rica de Nossa Senhora do Pilar de Ouro Preto, sendo estes os primeiros nomes de Ouro Preto, que só foi batizada e elevada a Cidade por Dom Pedro I em 1823.  Só lembrando que Mariana e Ouro Preto são cidade do lado uma da outra.

Fonte: MORAES, Fernanda Borges. O cotidiano e o espetáculo – paisagem, memória e turismo nos municípios de Ouro Preto e Mariana. Belo Horizonte: [mimeo], Relatório final de pesquisa – FAPEMIG

Uma curiosidade sobre o nome da cidade de Mariana, é que apesar de ser uma ordem “Mariana” os “Carmelitas”, de Nossa Senhora do Carmo, motivo do primeiro nome do que viria a ser cidade, no caso Ribeirão do Carmo, não é por este o motivo o nome desta cidade, é que Dom João V de Portugal, para homenagear sua esposa Dona Maria Ana da Áustria, elevou a Vila Do Ribeirão de Nossa Senhora do Carmo a cidade em 1745 e deu nome de Mariana, em Homenagem a sua esposa “Maria Ana”. Suponho que sem muito protesto, vide ser uma Ordem Mariana, a Ordem de Nossa Senhora do Carmo.

O Dia de Minas Gerais foi Criado em 1979 pela lei nº 561, devido o dia 16 de Julho ser a chegada do Coronel Salvador Fernandes no que viria a ser a cidade de Mariana, vide simbolizar esta a mais antiga cidade de nosso Estado, logo por analogia, o Berço da Civilização Mineira! Por ser a primeira Vila e Cidade do Estado e por sua importância histórica.

Que tem uma profunda ligação religiosa, tendo diversas Igrejas, bem como Ouro Preto, mas em Mariana temos um estilo de esculturas das Igrejas chamado Rococó, que é único no mundo e considerado um dos mais bem elaborados, mostrando a riqueza cultural e patrimonial desta cidade, que se confunde com nosso Estado. Sendo que nós fomos criados, com profundas raízes Católicas, desde o início de Nossa Colonização e esta foi amplamente financiada pela População e pela Criação de Ordens Católicas que Aceitam pessoas que não são Padres, Moges ou pertecem as igrejas especificamente, mas que faziam e até hoje fazem um profundo papel na estrutura da Igreja Católica em todo o Mundo.

Estilo Rococó, na igreja de São Francisco de Assis, Mariana

Sobre a História do dia 16 de Julho ser o Dia de Nossa Senhora do Carmo:

“…quando no dia 16 de julho de 1251, São João Stock, suplicava a Nossa Senhora ajuda para resolver um problema da Ordem do Carmo, da qual era o Prior Geral. Enquanto ele rezava, a Virgem Maria apareceu-lhe, trazendo o Escapulário nas mãos, e disse essas confortadoras palavras:
“Recebe, Meu filho, este Escapulário da tua Ordem, como sinal distintivo da Minha confraria e selo do privilégio que obtive para ti e para todos os Carmelitas: o que com ele morrer, não padecerá o fogo eterno. Este é um sinal de salvação, uma salvaguarda nos perigos e prenda de paz e de aliança eternas”.

Desde aí, as ordens Carmelitas e vários Papas durante os quase 800 anos do “Aparecimento Católico”de Nossa Senhora (Virgem Maria), veneram o Escapulário Sagrado. Um exemplo da importância desta Ordem Católica no Vale do Jequitinhonha é A Terceira Ordem do Carmo de Diamantina, por exemplo que existe há quase 300 anos, ou seja. desde que iniciou-se o que viria a se tornar a cidade de Diamantina, há esta Ordem.

 

Sendo que Diamantina foi criada, não devido ao Ouro mais sim devido aos diamantes e haviam nestas terras pessoas também riquíssimas e muitos Nobres vindos da Europa, em busca de mais dinheiro. Muitos Nobres optaram por Diamantina, não pelo clima ser mais agradável, mas porque era mais fácil transportar Diamantes que ouro, sendo que um quilo de Diamante, sempre valeu muito mais que ouro.

Procissão da Veneravel Ordem Terceira de Diamantina – 16/07/2017 – Esta procissão Existe há quase 300 anos

Estas pessoas, eram os financiadores das Igrejas, durante todo o período de colonização, sendo que muitas vezes, já vinham da Europa, pertencendo a alguma Ordem Religiosa e quando chegavam no Brasil financiavam a construção de Igrejas e manutenção de Mosteiros, etc. Tal fato ocorreu em todas as cidades que tiveram importância financeira no Brasil, mas com intensidade nos locais que recebiam Famílias Nobres da Europa, como é o caso de Diamantina, Serro, Ouro Preto e Mariana, com muita ênfase no século XVIII (18) e outras cidades como Araçuaí, Pedra Azul, Minas Novas e Grão Mongol no século XIX(19).

A Intendência dos Diamantes foi criada em 1734, com o objetivo de fiscalizar a exploração dos diamantes em toda a área abrangida pela Demarcação Diamantina. Sua sede era localizada no arraial do Tejuco (que se tornou a cidade de Diamantina), de acordo com atos posteriores, em sua organização havia um intendente, um contador, um fiscal e um escrivão. A partir da descoberta de diamantes em território colonial, em 1729, a administração da atividade de extração realizou-se de diferentes formas. De 1729 a 1734, a exploração foi aberta aos particulares, mediante a cobrança de uma taxa de capitação sobre cada escravo que trabalhasse na extração. Em 26 de junho de 1730 estabeleceu-se o primeiro regimento de mineração dos diamantes, determinando que o ouvidor da vila do Príncipe, à qual a região diamantina estava administrativamente subordinada, fosse o superintendente das terras diamantinas da comarca.

O Estado de Minas Gerais, atraiu a maior parte dos Nobres e pessoas de alta Cultura da Europa, simplesmente porque era o que tinha mais Riquezas, como Ouro e Diamantes, além de outras Pedras Preciosas descobertas no Vale do Jequitinhonha, sendo que Minas Novas, foi local de morada de pessoas da Alta Classe Européia também, como Grão Mongol, Pedra Azul e Araçuaí; só a última que teve mais importância devido ao comércio, devido ao Rio e o porto fluvial que tinha, do que as Pedras Preciosas no Século 18, com o primeiro porto sendo em ITIRA (Barra do Pontal no século 18) e no século 19 foi para Araçuaí este porto.

Igreja da Barra do Pontal/Itira, Município de Araçuaí, feito no Século XVIII(18). Se em Minas existia um Povoado, existia uma Igreja, geralmente paga por pessoas Locais

Após o início da Colonização no Brasil, após o ano de 1650 até 1870 (quando iniciou o declínio dos Diamantes na região), o Serro e Diamantina, eram onde concentravam boa parte dos homens mais ricos e importantes do Brasil no Século 18 e 19; para citar alguns exemplos históricos menciono o Barão do Serro, o Senador Mourão, o Comendador Francisco Corrêa Rabelo, todos de Diamantina, embora parentes são de épocas distintas; sendo que no início  do Século 20, o Senador mais Importante de Minas Gerais era de Araçuaí o Senador Nuno da Cunha Melo. Sendo que todos estes Homens que citei, por exemplo foram profundos Apoiadores da Igreja Católica, como seus antepassados por séculos.

Terreno Igreja Matriz de Araçuaí Doado por Nuno da Cunha Melo

O Senador Nuno doou o terreno onde hoje encontra a Igreja da Matriz em Araçuaí, o Senador Mourão, o Barão e o Comendador financiaram várias igrejas em Diamantina e no Serro; era algo tão comum na época erguer Igreja a qualquer sacrifício que os Escravos, fizeram várias Igrejas e criaram A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos; que é amplamente difundida em todo o Vale do Jequitinhonha, tendo a Festa do Rosário, uma das celebrações Culturais mais famosas de Minas, mas que também ocorre no Estado de Goiás e outras partes do Brasil.

Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de Chapada do Norte-MG, Vale do Jequitinhonha,construída no Século XVIII

A primeira Igreja Erguida por esta Irmandade, foi construída em Olinda-PE, no Século XVI mas só documentada, a partir do ano de 1627. Ou seja, esta Irmandade Católica, é muito antiga e dominou Minas Gerais, por séculos. Sendo que o triste período da escravidão contra pessoas originárias do continente Africano,durou do início de nossa Colonização no Brasil, até o ano de 1888.

A Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos de Olinda que foi a primeira igreja do Brasil pertencente a uma irmandade de negros. Sendo que o Início de sua construção se deu Ainda no final do ano de 1500, mas só foi documentada do ano de 1627 em diante

E tantos outros comerciantes, nobres, políticos,garimpeiros, fazendeiros,autonomos, profissionais liberais, anônimos,  etc. Todos sempre se uniram para a construção das inúmeros Igrejas de Minas, sendo que muitas foram construídas devido a diversas Ordens religiosas, das mais variadas. Mostrando que Minas Nasceu em comunhão com a Igreja Católica desde sempre.

Chácara do Barão de Serro no Serro, que hoje é Museu

Em Diamantina e no Serro, além de Ouro Preto e Mariana, floresceu uma Elite intelectual, que tentou até a primeira Revolução de Independência do Brasil, a Inconfidência Mineira, que foi impedida pelo Governo de Portugal em 1789, com a prisão dos “Conspiradores”, onde apenas Tiradentes acabou morto.

Celebração da Festa de Nossa Senhora do Carmo em Diamantina, presidida pelo Padre Frederico Martins e Silva, Reitor do Seminário Sagrado Coração de Jesus. 16/07/2017

E Minas é isso, tradição, religião, história, comunhão; um berço de intelectuais, historicamente discretos… sendo que de fato Minas São Muitas, mas se tem algo que temos em comum, em nossa historia é a Igreja Católica e isso, não há como ninguém contestar, porque é um fato que não há como ninguém negar! Seja nas Minas ou nas Gerais… que são uma só, mas há uma data comemorativa para o dia das Gerais, sendo que Matias Cardoso teve sua Matriz de Nossa Senhora da Conceição construída no ano de 1664. E há uma lei em comemoração do dia das Gerais em 08 de Dezembro. Sendo criado no ano de 2011, o Dia das Gerais por meio da Emenda Constitucional 89 -MG. Sendo que o dia 08 de Dezembro é dia de Nossa Senhora da Conceição e há uma ORDEM Católica Militar (já extinta formalmente) em Portugal chamada  Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa.  Daí você tira, há quantidade de “ORDENS” existentes na Igreja ou Católicas, são muitas, variadas, que atendem diversos propósitos…

ZELO ZELATUS SUM PRO DOMINO DEO EXERCITUUM

Sobre o Autor

Ernani J. De M.M.

Ernani J. De M.M.

Redator do Kiau Notícias e outras coisas mais

Deixe um recado

error: O Conteúdo desta Matéria não pode ser Copiado sem Autorização